Agende seu atendimento pelo Departamento Jurídico do Sepe no fone: (21) 2195-0457 (10h às 16h).

A direção do Sepe RJ se reuniu na manhã desta segunda-feira (14) com o novo secretário de Educação do estado do Rio de Janeiro, Alexandre Valle. Em pauta, as principais demandas da categoria, questão salarial, volta às aulas e reforma do Ensino médio, entre outras.

Estiveram presentes pelo Sepe, os coordenadores gerais Alex Trentino e Gustavo Miranda, e os diretores Luiz Guilherme Santos, Penha e Daniela Couto. Pela Secretaria Estadual de Educação (SEEDUC), além do secretário, toda sua equipe esteve presente.

– Volta às aulas presenciais: os diretores do Sepe formalizaram para a SEEDUC que a categoria se encontra em Greve pela Vida e que defende a volta às aulas presenciais apenas após a imunização completa e que estranhamos que a maior parte do estado esteja em bandeira laranja no exato momento em que a média móvel de mortes subiu em 40%. Defendemos que as escolas voltem a ser fechadas até que haja segurança sanitária para os profissionais da educação.

Aproveitamos para falar sobre os vários óbitos ocorridos em redes de ensino que optaram pela reabertura das aulas presenciais; também cobramos a possibilidade de antecipação do recesso, aprovada pela Alerj, como uma forma de manter as escolas fechadas.

Em resposta, o secretário e sua equipe disseram que trata-se uma volta com restrições, além de não ser obrigatória. Neste sentido, retornariam apenas os profissionais que fizeram a opção em questionário feito pelas escolas.

O secretário nos informou, ainda, que estavam monitorando a quantidade de professores vacinados e que, segundo a SEEDUC, esse número chega a 84% no estado (entre aqueles que tomaram apenas uma ou as duas doses); e também nos disse que era importante que houvesse a imunização completa dos profissionais da educação antes do retorno.

Desta forma, cobramos que a SEEDUC divulgue, o mais rápido possível, em documento oficial, esta garantia de que a volta às aulas presenciais é opcional para os professores e funcionários de escola.

Leia aqui um esclarecimento detalhado sobre o retorno opcional.

– Questão salarial: os diretores do sindicato fizeram uma explanação sobre a gravíssima situação financeira dos profissionais da educação, falando sobre os 7 anos sem reajuste e a tendência de precarização da nossa profissão.

O secretário disse que sabe da situação e quer analisar a melhor forma de valorização dos profissionais dentro do possível, e nos perguntou se tínhamos propostas.

A direção respondeu que a categoria reivindica o aumento salarial, tendo como referência o piso nacional, no caso dos professores, e o salário mínimo regional, no caso dos funcionários administrativos. Também explicamos que, dentro do regime fiscal, há a possibilidade de reposição da inflação e que apenas isto atenderia também aos aposentados; mesmo porque, o Executivo teve aumento de 11%. Além disso, citamos a importância de descongelamento do plano de carreira, da aplicação do 1\3 de planejamento e o aumento dos auxílios. Cobramos, ainda, que se envolva a Secretaria de Fazenda e o Conselho do Regime Fiscal neste debate, e que tanto a SEEDUC, como o Ministério Público e Defensoria Pública sejam envolvidos neste processo e tenham a valorização dos profissionais da educação como agenda prioritária.

NOTA DE PESAR

Infelizmente, em meio à audiência, ocorreu um triste incidente, que ocasionou a suspensão da reunião (esta será retomada na sexta-feira): a professora Eliane Martins Dantas, que trabalhava na SEEDUC, faleceu vítima de infarto fulminante. A direção do Sepe presta sua total solidariedade aos familiares e amigos de Eliane Dantas. Leia aqui a nota de pesar da SEEDUC.

0

Os profissionais de educação do Colégio Estadual Paulo de Frontin lançaram manifesto/abaixo-assinado nesse dia 14/06 para divulgar a “total insatisfação e repúdio pela forma como a discussão e implementação do Novo Ensino Médio (NEM) e a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) vêm sendo feita”, na rede estadual de ensino RJ.

Segundo o texto, não estão sendo garantidas “as mínimas condições necessárias para uma implementação de uma reforma desta monta”, e pedem que o “processo seja imediatamente suspenso”.

O manifesto pode ser lido neste link.
0

Matéria do Jornal Extra publicada neste domingo (dia 13/6) mostra que o estado do Rio de Janeiro teve crescimento da média móvel de mortes por covid 19, que passou a ser de 209 mortes por dia. Segundo dados da Secretaria de Estado de Saúde, em relação a duas semanas atrás, a média móvel teve um aumento de 40% no número de mortes pelo segundo dia seguido, o que indicaria uma tendência de crescimento na intensidade do contágio no estado que já acumula 52.998 mortes pela doença e cerca de 906 mil pessoas infectadas.

 

O anúncio deste aumento de casos no Rio de Janeiro ocorre num momento em que os governos estadual e municipais mantém uma postura vacilante em relação à adoção de medidas mais fortes de isolamento social que impeçam o aumento da circulação de pessoas nas ruas, como o fechamento do comércio e das escolas. Na sexta-feira (dia 12/6), a Secretaria Estadual de Saúde colocou a maior parte do Estado do Rio de Janeiro em bandeira laranja. Isto significa que muitos municípios, um total de 41, estariam aptos a abrir escolas da rede estadual de ensino, o que pode acarretar na contaminação de mais pessoas e aumentar o número de mortes.

Veja a matéria completa do Extra pelo link:

https://extra.globo.com/noticias/rio/estado-do-rio-em-alta-de-40-na-media-movel-de-obitos-por-covid-19-25059621.html

0